sábado, 24 de agosto de 2019

DIGA NÃO AO SEAWORLD




Hello meninas, amigas e leitoras desse blog, hoje estou aqui pra falar sobre um dos parques da Disney o SEAWORLD. O parque expõe animais aquáticos no casso baleias  que não são mercadorias para serem compradas, vendidas, emprestadas e movidas de acordo com os caprichos de seus captores.

Você sabia que Baleias de diferentes áreas do mundo falam dialetos diferentes. Quando o SeaWorld embaralha esses animais de parque em parque para usá-los para reprodução, a mistura de animais que não resulta mais constitui um casulo real de estranhos obrigados a conviver.

Em 1965, os caçadores capturaram um jovem membro desse grupo - depois de arpoar e matar sua mãe - e o SeaWorld a nomeou Shamu. Isso deu início a uma década de capturas e assassinatos de orcas em águas norte-americanas, até 1976, quando o SeaWorld foi expulso do estado de Washington após os captores lançarem explosivos de aviões no oceano. A população de orcas residentes do sul foi reduzida em mais de 30% e nunca se recuperou.

Um dos casos revoltantes foi a reveleção do sexo de um bebê da beleia Katina que foi raptada à força de sua casa e família na Islândia quando bebê e vendida para a vida toda em cativeiro como performer e máquina de reprodução. O SeaWorld primeiro a criou quando tinha apenas 9 anos de idade - muitos anos mais jovem do que ela estaria pronta para se reproduzir sozinha na natureza. Ela deu à luz Kalina, e mãe e filha foram separadas quando Kalina tinha apenas 4 anos, para que a orca mais jovem pudesse ser transportada para outros três parques. Na natureza, eles teriam ficado juntos por toda a vida. Kalina morreu prematuramente de septicemia, envenenamento do sangue por bactérias.


E então tem mais algo horroroso, um dos autores do release de dados do SeaWorld, Todd Robeck, também é seu principal estuprador de golfinhos e baleias. Ele supervisionou por muito tempo a masturbação de golfinhos e baleias da empresa para coletar seu sêmen e sua inseminação forçada de fêmeas para produzir mais bebês, a fim de atrair visitantes, uma prática amplamente condenada por cientistas de mamíferos marinhos.

Já se passaram mais de três anos desde o lançamento do documentário Blackfish - cuja "estrela", Tilikum, morreu recentemente após 33 anos em um tanque de concreto, mas as orcas do SeaWorld ainda estão nadando em círculos sem fim e quebrando os dentes por frustração os cantos de concreto e barras de metal de seus minúsculos tanques. Outros golfinhos ainda estão sendo impregnados, às vezes forçosamente depois de serem drogados, um urso polar morreu recentemente depois que seu companheiro de 20 anos foi arrancado dela; e três mamíferos marinhos, incluindo uma orca de 3 meses de idade, morreram em apenas três meses. Enfrentando números de afundamento, o SeaWorld finalmente encerrou seu sórdido programa de reprodução de orcas.


Os números são ALTOS demais pra um entreterimento, são 22 orcas, mais de 100 outros golfinhos e baleias e muitos outros animais que sofrem. os tanques da empresa agora. E isso não faz nada para as 40 orcas, mais de 300 outros golfinhos e baleias, e aproximadamente 450 focas, leões-marinhos e morsas - junto com incontáveis ​​animais menores que morreram nos parques. Quero pedir pra que você não incentive esse programa, pelo contrário repudie essa ações, os animais não são domésticos, tirá-los do habitat natural pra viver é uma tortura, é não ter escolha, eles precisam de alguém pra defendê-los posso contar com a sua ajuda?

Beijinhos Caprichosos e conscientes ;*

3 comentários:

The Exclusive Beauty Diary disse...

Thank you for sharing.

New Post - http://www.exclusivebeautydiary.com/2019/08/mugler-aura-eau-de-parfum_24.html

Jessica Andrade disse...

Oi Alanna,

Que crueldade! Eu não conhecia o programa, mas nem quero ver!

Bjs e uma boa semana!
Diário dos Livros
Conheça o Instagram

Only Inspirations disse...

Já conhecíamos esse lado cruel do SeaWorld, e não incentivamos o programa!! Isso é muito triste!!

beijos

http://onlyinspirations.blogspot.com/

Postar um comentário